Orgulho. E preconceito. E zumbis.

Eu não queria postar um combo de resenhas em duas semanas, mas tô com pouco tempo pra escrever no blog (mentira, ao invés de escrever os textos pendentes domingo passado, fiquei jogando Minecraft. Mas o domingo é meu dia oficial de scratching the bag, então tá valendo o pretexto), mas eu TENHO que falar sobre esse livro. Até porquê, é a primeira vez que eu tô escrevendo sobre um livro.

Você gostaria de saber mais?

O Turista

Não sei definir se “O Turista” é uma surpresa agradável, ou se é uma decepção inesperada que foi salva pela falta de hype, ou simplesmente pelo fato de que, por algum motivo, ao olhar aquele cartaz o meu cérebro pensou “romancezinho veneziano com dois queridinhos da mídia”. E aí meu irmão me fala que o filme não é de romance. Tamanho era meu interesse pelo suposto romance (eu sei, total desinformação da minha parte, puta falta de sacanagem mesmo), que eu nem mesmo havia lido nada sobre o mesmo. Nem visto nenhum trailer. Mas aí, subjugado pela curiosidade (e, pra confessar, total falta de algo melhor pra fazer), assisti o tal filme. E eu ia usar o começo do texto como título, mas como vi que ia ficar muito grande, e ia ser um título ridículo, resolvi me ater ao manjado nome do filme.

 

Passeios com a família

Como não é só de tecnologia que eu gosto de falar, mas também de fazer paralelos com a mesma baseado nas minhas experiências de vida, e como o assunto tá minha cabeça devido ao recente passeio com a minha família pra ver Enrolados, eu resolvi encher lingüiça falar sobre o tópico. E quem me vê falando “minhas experiências de vida” deve achar que eu sou velho. Mas foda-se, não preciso ter 72 anos pra refletir sobre a vida.

 

Dia do Jogo Justo: Parecer desavergonhadamente atrasado

É, eu devia ter postado isso no final de semana passado já. Mas eu não tenho vergonha na cara, e tô bostando só essa semana por 3 motivos:

1) Preguiça de escrever no final de semana e postar no blog na segunda;

2) Também escrevi pra entregar pra coluna no Ibiá dessa semana;

3) Queria “esfriar a cabeça” depois de ver algumas atitudes do Moacyr das quais eu discordo (e não queria que isso influenciasse o texto);

4) Queria ver a repercussão do Jogo Justo no resto do país antes;

5) Eu não sei contar.

6) Olha que bonito esse unicórnio:

Bom, indo ao assunto, vamos dar uma repassada (até porque, eu vou ter que publicar isso no Jornal, e muita gente lá nunca ouviu falar de Jogo Justo):